Doce Luar

Versos e mensagens, minhas ou de outrém...


As vezes no silêncio da noite
Eu fico imaginando nós dois
Eu fico ali sonhando acordada
Juntando o antes, o agora e o depois


Porque você me deixa tão solta?
Porque você não cola em mim?
Tô me sentindo muito sozinha...


Não sou nem quero ser sua dona
É que um carinho às vezes cai bem
Eu tenho meus segredos e planos secretos
Só abro pra você, mais ninguém


Porque você me esquece e some?
E se eu me interessar por alguém?
E se ele de repente me ganha?


Quando a gente gosta
É claro que a gente cuida
Fala que me ama
Só que é da boca pra fora


Ou você me engana
Ou não está maduro
Onde está você agora?


-- Caetano Veloso (modificada)




Escrevo
Loucamente
Quero tanto
Me livrar dessas palavras
Não faço versos
Não faço rimas
Apenas escrevo
E enlouqueço





Falo de você
Falo das coisas que sei
Falo de mim também
Das coisas que desconfio
Das que foram e das que virão
Mas principalmente
Daquelas que nunca serão
Escrevo
E enlouqueço
Eu tento
Mas não esqueço
E escrevo, e escrevo
Palavras, tão belas
Tão tristes
Tão feias
Tantas mentiras
Tantas verdades
Tanta inocência
Tanta maldade
E não paro
E não paro
Escrevo
E você não sabe
Que é por você
É pra você
Que escrevo
Que enlouqueço
Que me entrego
A cada frase
A cada palavra
A cada tecla que aperto
É tudo seu
Assim como eu...



Don't hold yourself like that

You'll hurt your knees
I kissed your mouth and back
But that's all I need
Don't build your world around volcanoes melt you down

What I am to you is not real
What I am to you you do not need
What I am to you is not what you mean to me
You give me miles and miles of mountains
And I'll ask for the sea

Don't throw yourself like that
In front of me
I kissed your mouth your back
Is that all you need?
Don't drag my love around volcanoes melt me down

What I am to you is not real
What I am to you you do not need
What I am to you is not what you mean to me
You give me miles and miles of mountains
And I'll ask for 
What I give to you
Is just what I'm going through
This is nothing new
No no just another phase of finding what I really need
Is what makes me bleed
And like a new disease she's still too young to treat
Volcanoes melt me down
She's still too young
I kissed your mouth
You do not need me

(Damien Rice)













Não quero amar
Amor sufoca, prende
Eu quero ser livre
Totalmente independente
Seu olhar me faz promessas
Diz que me quer
Mas eu fujo dele
Não quero saber
Quero abrir minhas asas
Necessito do ar
Que você não tente me prender
Isso não vou aceitar
Sou um pássaro livre
Meu destino é voar!




Frenesi
De vida
De morte
Nesse momento tanto faz
Eletricidade no ar
Corpos em movimento
Pele, toques
Olhar
O seu no meu
Vamos dançar?

Doce amado
Lembra aquele tempo
Em que éramos nós
Meu querido
Lembra-se?

Haviam flores no jardim
E você as trazia pra mim
Ainda sinto o perfume delas...





Doce amado
Lembra aquelas tardes
Eu e você e a doce brisa
Cabelos ao vento
E você em meus pensamentos
Lembra-se?


Oh, doce amado
E aqueles momentos
Em que eu chorei
Motivos tantos
E você me abraçava
Ah, meu querido
Como eu te amava...
 

Ah, doce amado
Lembra-se daquele dia...
...chovia e eu não sabia
pela última vez...você sorria
...seus olhos fecharam.... quem diria...



Achei que dormias...



Ando meio desligado
Eu nem sinto
Meus pés no chão
Olho, e não vejo nada
Eu só penso
Se você me quer...







Eu nem vejo a hora
De lhe dizer
Aquilo tudo
Que eu decorei
E depois do beijo
Que eu já sonhei
Você vai sentir
Mas por favor
Não me leve a mal
Eu só quero
Que você me queira
Não me leve a mal
Não leve a mal...
 



 













Eu só quero
Que você me queira...
Não leve a mal


(Pato Fu)















Faz-me tua
Para que assim
Eu me encontre
No calor dos seus braços
No arrepio da sua pele


Toque-me lentamente
Traçando mapas em meu corpo
Descubra os caminhos
que me levam até você
Seja meu guia
Para que assim eu possa
Te encontrar







  Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.


 






E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cómico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado,
Para fora da possibilidade do soco;
Eu que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu que verifico que não tenho par nisto neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo,
Nunca teve um acto ridículo, nunca sofreu um enxovalho,
Nunca foi senão princípe - todos eles princípes - na vida...

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana,
Quem confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Quem contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó princípes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde há gente no mundo?

Então só eu que é vil e erróneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos — mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que tenho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

(Álvaro de Campos)
















---------------------

Este aqui foi recomendado pelo Arnie, que como sempre foi exato em sua escolha...





 Hoje minha alma susurrou baixinho:  

Vamos ser livres....











E o pedido

foi se tornando

insistente:


Vamos ser livres...




E quando

fingi não ouvir,

 ela deu 
um grito final:

Vamos ser livres!!!

                                                        

    Talvez da 

próxima vez 

eu a ouça 

mais atentamente...



kirah diz: como vai a vida rapaz?


Arnie diz: marrom



PALAVRAS


Tem cuidado com as palavras
mesmo as milagrosas.
Pelas milagrosas nós fazemos o melhor possível,
por vezes são como uma multidão de insectos
que não nos deixa uma picada mas um beijo.
Podem ser tão boas como dedos.
Podem ser tão seguras como a rocha
onde te sentas.
Mas também podem ser ao mesmo tempo margaridas e [amachucadas.


Contudo, estou apaixonada pelas palavras.
São pombas que caem do tecto.
São seis laranjas santas pousadas no meu regaço.
São as árvores, as pernas do verão,
e o sol, seu impetuoso rosto.


No entanto, falham-me com frequência.
Eu tenho tantas coisas que quero dizer,
tantas histórias, imagens, provérbios, etc.


Mas as palavras não são suficientemente boas,
as erradas beijam-me.
Por vezes vôo como uma águia
mas com as asas de uma carriça.


Mas tento ter cuidado
e ser amável com elas.
As palavras e os ovos devem manipular-se com cuidado.
Uma vez partidas há coisas
impossíveis de reparar.

Anne Sexton
tradução: Antônio Sá Moura






PALAVRAS




Achas
Após seus baques a madeira range,
Ecoando!
Ecos em viagem
Fora do centro como águas.


A seiva
Brota como lágrimas, como
água na refrega
Para repor seu espelho
Sobre a pedra


Que tomba e rola,
Um crânio branco,
Comido por verdes daninhos.
Depois de anos eu
Com eles me deparo na estrada —


Palavras secas, à solta,
o infatigável bater de cascos,
Enquanto
Do fundo do poço, fixas estrelas
Governam uma vida.

Sylvia Plath
tradução: Vinicius Dantas


----------------------------------

Duas mulheres atormentadas, duas poetisas brilhantes e suas palavras...

Obs: tive que tirar as fotinhas porque dá erro na formatação.... 

Uau, 3ª postagem do dia, estamos ficando viciadas não é... rsrs
Passando (mais uma vez) para deixar aqui o presentinho recebido da amiga blogueira Dandara, responsável pelo cantinho mais do que incrível: .


De acordo com o criador, Quincas "O Prémio Dardos é o reconhecimento dos ideais que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc... que em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, e suas palavras.
Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar o carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor á Web".
 
 
 
 
 
Eu simplesmente achei lindíssimo, obrigada Dandara.
 
 
 
Das regras do Selo:


- Exibir a imagem do Selo no Blog
- Exibir o link do blog que você recebeu a indicação
- Escolher 10, 15 ou 30 blogs para dar a indicação e avisá-los.

Minhas indicações



Talvez eu seja apenas mais uma daquelas garotas estranhas que cruzam na sua vida e você provavelmente ignora, talvez comigo seja igual, talvez seja diferente. Talvez por um momento eu lhe chame a atenção, talvez essa minha estranheza, esse meu ar de mistério lhe desperte a curiosidade, e talvez, mas só talvez, você fale comigo.
E se isso acontecer, talvez eu me abra pra você, conte meus segredos, meus pensamentos, meus medos. Talvez até entregue meu coração. Talvez você se interesse por um momento, mas então provavelmente concluirá que é demais pra você, que prefere alguém “normal”, que fale a sua língua, alguém que você decifre ao primeiro olhar, alguém que o mundo não condena, alguém que não lhe desperte perguntas sem respostas, enfim alguém que não sou eu. Porém um tempo depois você, talvez em um dia solitário, quando as lembranças falam mais forte, nesse dia talvez, você lembre daquela garota, estranha, misteriosa, complicada e tão boba, uma garota que foi sua e ao mesmo tempo nunca foi. Porque era completa, inteira, tão dela. Talvez então você sinta saudades, talvez você se pergunte o que teria acontecido se você tivesse lhe dado uma chance. Talvez você a procure, talvez a encontre, somente para descobrir que para ela o tempo não passou, que ela não mudou, mas que por isso mesmo nunca mais será sua, porque você já não será mais o mesmo.


 












Folhas ao vento
Sussurro no ar
É permitido sonhar
Abraço apertado
Dois corpos colados
Energia que flui
A alma intui
A hora é chegada
De amar e ser amada

Quem és tu que me lês? És o meu segredo ou sou eu o teu?

Clarice Lispector

Carinho

Carinho
da amiga Dandara

da amiga Srtª Bêêh

recebido da Joyce Kelly

da Joyce Kelly

Da Pat...

De A dangerous mind (1 dos 4)

de A Dangerous Mind e Somewere

de A Dangerous Mind

de A Dangerous Mind
Ocorreu um erro neste gadget

Por aqui ficaram:

Todos os textos aqui expostos e que não possuem assinatura são de autoria da proprietária do blog, os demais encontram-se devidamente referenciados. As imagens podem ser encontradas no google images. Por favor, não plagie, respeite os autores, crie suas próprias estórias. Obrigada pela visita, voltem sempre! bjus da kirah^^

hoje (clique vídeo)

hoje (clique vídeo)
Talvez eu já saiba a resposta...

Mo Foo